5 Considerações a ter sobre a Patologia do Sono



Porque é importante dormir bem?


A capacidade de dormir bem e de preservar um sono reparador são pontos bastante relevantes para uma boa saúde. Durante o sono ocorrem processos metabólicos que permitem o equilíbrio do organismo. Num sono “ineficaz” surgem desequilíbrios a curto, médio e longo prazo como menor vigor físico, envelhecimento precoce e até maior propensão para infeções, obesidade, hipertensão arterial e diabetes.



O que é a Medicina do Sono?


A medicina do sono é uma ciência já bem conhecida e com uma constante atualização no mundo clínico que se dedica ao estudo do sono. O seu reconhecimento, diagnóstico e terapia são bastante valorizados pois uma patologia do sono não acompanhada e devidamente tratada é equivalente a uma diminuição muitas vezes relevante da qualidade de vida. De salientar ainda que inúmeros estudos demonstram uma associação significativa entre a patologia do sono e diabetes, hipertensão arterial, doença cardíaca, AVC, entre outras.



Distúrbios Respiratórios do Sono – O que são?


Os Distúrbios Respiratórios do Sono (DRS) são patologias do sono muito frequentes que possuem um largo espetro, podendo corresponder desde o simples ressonar a interrupções respiratórias associadas a dessaturações significativas.
A ventiloterapia encontra nos Distúrbios Respiratórios do Sono o seu campo de atuação, estando igualmente indicada em doenças neuromusculares, deformações músculo-esqueléticas da caixa torácica e insuficiência respiratória crónica (IRC) de causa pulmonar.

O que é a Síndrome da Apneia do Sono (SAS)?

A SAS é uma patologia crónica, progressiva e incapacitante, que resulta de eventos repetidos de obstrução das vias aéreas superiores durante o sono. Esta obstrução pode ser total ou parcial, provocando episódios de apneia ou hipopneia/limitações de fluxo. A quantidade de episódios que ocorrem por hora de sono determina a gravidade desta patologia, nunca menosprezando a existência de dessaturações associadas.


Quais são os sintomas mais frequentes na SAS?

Ressonar intenso, paragens respiratórias durante o sono, excessiva necessidade de ir à casa-de-banho durante a noite, sonolência diurna excessiva, dores de cabeça matinais, secura da boca, perturbações sexuais, cansaço ao despertar, confusão e irritabilidade sugerem a presença da doença.
Mortalidade e Morbilidade na SAS


A SAS possui uma elevada taxa de mortalidade e morbilidade, que se deve a complicações cardiorrespiratórias (arritmias cardíacas, insuficiência respiratória, acidente vascular cerebral) e neuropsiquiátricas (perturbações emocionais, depressão, problemas familiares e sociais) inerentes à patologia.


Como diagnosticar a SAS?

O diagnóstico de SAS deve ser confirmado por Estudo Poligráfico do Sono (EPS), vulgarmente designados por PSG I, PSG II ou PSG III.

Como tratar a Síndrome da Apneia do Sono?

A abordagem terapêutica da SAS pode ser feita a vários níveis, nomeadamente:

  •          Tratamento clínico comportamental (higiene do sono);
  •          Tratamento mecânico por aparelhos geradores de pressão positiva de ar (CPAP/Binível);
  •          Dispositivos Orais;
  •          Tratamentos cirúrgicos.


Atualmente, o tratamento mais efetivo para a SAS é o uso de pressão positiva contínua nas vias aéreas. De ressalvar que a terapia por pressão positiva (CPAP) não cura a patologia, mas minimiza o impacto da doença, otimizando a qualidade de vida do utente.



Como atua a terapia por pressão positiva (CPAP/ACPAP/Bi-nível)?


A experiência mostra que a aplicação de pressão positiva através de uma interface (máscara) elimina os eventos respiratórios, corrige as dessaturações de oxigénio e a macroestrutura do sono. Assim, diminui/elimina a sonolência diurna e leva a um consequente incremento na qualidade de vida. Há ainda evidências de que o tratamento com CPAP diminui a mortalidade, a sinistralidade rodoviária e a incidência de patologia cardiovascular.



Posso ter perturbações do sono sem ter SAS?


Sim. Existem outras disposições clínicas que interferem com uma boa noite de sono. Por exemplo, o SRAVAS é uma síndrome traduzido por uma obstrução das vias aéreas superiores (VAS) insuficiente para criar apneias, hipopneias e dessaturações, mas suficiente para perturbar a microestrutura do sono e aumentar o esforço respiratório, levando a microdespertares e fragmentação do sono. De salientar que um SRAVAS não tratado pode progredir para um estreitamento da via aérea e evoluir para um Síndrome de Apneia e Hipopneia Obstrutiva do sono. Outras situações clínicas do foro neurológico também podem originar perturbações do sono.